Liberdade, Disciplina e respeito

Elitização da Segurança

Quanto mais etapas para serem concluídas, mais dificuldade temos para alcançar algo. Isso é tão natural quanto a chuva e ainda assim é de difícil entendimento por muitas pessoas. A quantidade de requisitos, ou seja, de condições postas para definir se algo é possível ou não, é diretamente proporcional à dificuldade que este algo será de fato concretizado.

 

Quando falamos em liberdade de acesso às armas e direito de legítima defesa que será o foco do presente texto, é comum assistirmos alguns requisitos surgirem junto com estes dois temas como visando um filtro de quem poderá exercer ambos. É preciso tomar cuidado pois a sensação de se criar requisitos, de criar condições para exercer estes dois conceitos definitivamente não facilita o seu acesso e seu uso, pelo contrário, dificulta.

 

Se o requisito proposto é legítimo, justo ou atrapalha mais do que ajuda é um outro assunto e discordâncias da forma e do conteúdo surgem também naturalmente, mas o fato é apenas um: quanto mais requisito, maior dificuldade. É a lei da inevitabilidade agindo: ação e reação, causa e efeito. Portanto, é preciso tomar cuidado com as preocupações em garantirmos que pessoas boas tenham a liberdade de acesso às armas e seu direito de legítima defesa garantido e respeitado através da criação de etapas para exercer estes dois temas em suas vidas, pois como já explicado, a ação natural  de exigir requisitos gera a reação natural de ser preciso concluir mais etapas para conseguir o desejado. Causalidade.

 

E por enquanto estamos falando de preocupações que consideramos legítimas, mesmo que podendo ser debatidas devido a discordâncias, mas ainda legítimas e honestas. Se inserirmos neste debate os requisitos ilegítimos (aqueles completamente tirânicos e imorais, sem sentido algum), os anti-científicos assim como aqueles completamente ideológicos que servem notoriamente apenas para controlar e mitigar o máximo possível a população de exercer essa liberdade e esse direito, nós temos uma dificuldade constante, autoritária e moralmente criminosa.

 

Para piorar nossa situação, os requisitos legais para dificultar a população de se armar e de se defender da criminalidade não são a única forma de exercer esse controle e redução de pessoas se armando. Nós temos os impostos, que apesar de não ser uma etapa para o interessado no tema poder concluir para ter o que deseja, é uma característica que dificulta, afinal, quanto mais imposto o Estado empurra na indústria, esta repassa para a loja que por sua vez repassa para o consumidor final: o cidadão. Agora o acesso ao armamento está com muitos requisitos e caro.

 

Se meu desejo como Estado é dificultar o acesso ao armamento, já tenho muitas etapas e impostos. Adiciono uma legislação tributária complexa e constantemente enrolada e alterada para dificultar ainda mais esse acesso em uma visão macro e nestes requisitos serão adicionados parâmetros repetitivos e de difícil entendimento, com pouca ou quase nenhum esclarecimento a respeito dos trâmites necessários para passar por estas etapas. Agora o acesso ao armamento está cheio de requisitos, caro e burocrático.

 

Com uma pitada de cultura e educação controlada pelo establishment político eu também consigo dificultar a informação verídica e imparcial sobre o armamento de ser transmitida e fomentada, e crio mentiras, informações ocultadas e fomento o medo sobre o tema apelando de todas as formas possíveis, do jornal a sala de aula, os perigos – e somente perigos – com muita carga de demagogia para que as pessoas ao longo do tempo, especialmente as que não tem contato com o mundo do tiro, criem medo e vejam o armamento como algo ruim, e não como exercício da liberdade.

 

Agora a liberdade de acesso às armas e direito de legítima defesa, além de burocráticos, demorados, caros, confusos, desencorajados, também estão demonizados.

 

Considerando aqueles que enfrentam tudo isso e conseguem ultrapassar todas essas barreiras para fazer valer sua liberdade e seus direitos, no sentido das armas nós temos outro problema que é o mercado. Para se ter mais opções tanto de modelos quanto de marcas, o processo se torna caro, confuso e burocrático em triplo, pois é preciso apelar para novos requisitos ainda mais complexos para realizar importações. E no sentido da defesa, criamos um sistema penal completamente falho, fraco, com atitudes naturais enfrentamento do perigo iminente repudiadas como se fossem atos monstruosos e se assim agir, ficará tudo mais caro e burocrático e caóticamente incerto perante a justiça. A fórmula do incentivo à covardia está completa. É difícil exercer a liberdade e se a exercer para defender a sua vida, você será tratado como um monstro.

E se você não tiver tempo para estudar, dar entrada e concluir todos esses requisitos? Se não tiver dinheiro para pagar pra alguém fazer? Você não tem liberdade e muito menos segurança.

 

Essa dificuldade, essas incertezas jurídicas, essa falta de amparo educacional, o medo cultural fomentado sistematicamente para condicionar a população a não defender suas próprias vidas e liberdade, essa burocracia que te atrapalha e segrega o povo em classes fomentando sentimentos de inveja, revolta e revanchismo. É criada a sensação de que a arma é uma ferramenta apenas para um grupo altamente selecionado de pessoas, que passaram por todo esse processo descrito acima.

 

Se requisitos para se ter armas fossem garantia de melhor seleção e filtro para quem pode ter e portar armas, como nosso país repleto desses requisitos e filtros nos dão altas taxas de criminalidade e países com menos ou quase nada de nossos requisitos possuem essas mesmas taxas muito mais baixas?

Este é o fenômeno da elitização da segurança, que deve ser combatido até sua completa eliminação de nosso país e nossa cultura.

Esse post pode ser útil

O que portar no seu EDC?

Diariamente você pode passar ou já passou por algum aperto, pegar uma chuva na ida ou na volta do trabalho, ferramentas para consertar alguma coisa, uma boa lâmina para cortar […]